Visitantes

sábado, 15 de fevereiro de 2014

Apontamentos: Pós-Estruturalismo e Pós-Modernidade

Conteúdo: Pós-Estruturalismo e Pós-Modernidade


Pós-Estruturalismo e Pós-Modernidade: Algumas Considerações e Impressões

           
Acho que um dos maiores desafios de uma reflexão epistemológica, assim como o propósito da disciplina, é entender a realidade, as percepções atuais sobre o sujeito e de mundo que vivemos. Neste contexto novas teorias são colocadas, oras como oposição, oras como superação das antigas teorias.
            Outro ponto importante que aprendi sobre as escolhas epistemológicas é que elas estão relacionadas com uma forma de escrita, com uma linguagem, assim como registra Guaciara Lopes Louro: “o modo como se escreve está diretamente articulado às escolha teóricas e políticas que se empreende” (LOURO, p.235, 2007).
            Desta forma, a escrita linear presente em obras como a de Marx é superada com uma abordagem em rizoma.
Com a apresentação dos colegas Ana Paula, Gustavo, Luiza e Roberta França, a fala da professora Ana Maria Preve, das leituras propostas e algumas reflexões ainda em andamento, registro aqui o entendimento sobre alguns conceitos como:
            - Moderno x Pós-Moderno: no sentido de escola disciplinar.
      - Modernidade x Pós-Modernidade: no contexto de periodicidade, o primeiro como empreendimento de produção e projeto filosófico, ou nas palavras de Silvio Gallo: “movimento histórico-filosófico” (GALLO, p.553, 2006). O segundo com promessas de democracia e igualdade. (substantivo).
            - Modernismo x Pós-Modernismo: o primeiro termo abrange uma abordagem binária, enquanto o segundo aparece como sua sequência, posterior, vindo de expressões artísticas. (adjetivo).
- Estruturalismo x Pós-Estruturalismo: um como crítica social à modernidade, o outro como discurso de não autoridade, rompe com o tempo e o espaço.
Ressalto a importância de estar aberto para conhecer diferentes paradigmas e visões de mundo, porém nenhuma abordagem desta natureza pode ser neutra ou naturalizar questões colocadas. A crítica deve estar presente, principalmente na nossa área da educação e do lugar que vivemos neste Terceiro Mundo.
 
Referência:
DELEUZE,  Gilles;  GUATTARI,  Félix.  Introdução:  Rizoma.  In:  Mil  Platôs:  capitalismo  e esquizofrenia, v. 4. Trad. Ana Lúcia de Oli­ veira. São Paulo: Editora 34, 1997.
GALLO, Silvio. Modernidade/pós­modernidade: tensões e repercussões na produção de conhecimento em educação. São Paulo: Unicamp, 2006
LOURO, Lopes Guacira. Conhecer, pesquisar, escrever…. Educação, Sociedade & Culturas, nº25, 2007, 235­245.

PETERS, Michael. Pós­estruturalismo e filosofia da diferença: uma introdução. Autêntica: Belo Horizonte, 2000. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva.

Um comentário:

Irivan Rodrigues disse...

Olá educador(a), boa tarde!

Talvez eu esteja por aqui pela segunda vez trazendo um convite a você para fazer parte do Projeto Educadores Multiplicadores. O objetivo do projeto é unir e divulgar blogs de educadores.

Divulgue seu blog e promova a educação!

Faça parte da maior comunidade de blogs educativos do Brasil! Permita que outras pessoas conheçam este espaço e que ele fique mais conhecido entre os professores/educadores, alunos e escolas do Brasil e Portugal. É grátis!

Abraços, fiquemos na Paz de Deus e até breve.

Irivan Rodrigues